Sunday, December 10, 2006

Gol do Hamburgo - Schröeder


 "Mas, aos 41 min do segundo tempom impõe-se a máxima alemã: Lutar até o apito final. Então, com China jogando no sacrifício e Renato com caimbras fora de campo, o determinado Hamburgo empata o jogo. O gol foi do vingativo Schröeder, que havia sido humilhado pelos dribles de Renato e, talvez em honra a Mohdieck - o zagueirão que, antes de jogar pelo Grêmiom jogara no Hamburgo-, foi lá e igualou o escore. Meio chato, mas digno e heróico." (Eduardo "peninha" Bueno)

"Com um jogador a mais - Renato sentia cãibras e era atendido fora de campo por Banha - os alemães empatam. Schröeder, momentaneamente sem ter a quem marcar, aventurou-se na frente e, num lance desajeitado e sem beleza, tirou do Grêmio o topo do mundo." (Marcos Eduardo Neves)

"Osvaldo também lembra da "ducha fria" que foi tomar o gol de empate aos 41 minutos do segundo tempo, depois de Renato abrir o placar em uma jogada sensacional aos 38 do primeiro. O 1 a 1 saiu em cabeçada do zagueiro Schroeder, após cobrança de falta.

— Sabíamos que o forte deles era o jogo aéreo. Nos preparamos para isso — lamenta Mário Sérgio. " (Zero Hora, 11/12/2008)



Grêmio.Net: No momento em que o Hamburgo empatou o jogo, você estava atendendo o Renato, com câimbras, na beira do gramado. Como foi aquele momento?

Banha: Quando o Hamburgo fez o gol, nós gelamos. O Renato se levantou rapidamente e voltou para o campo dizendo “vamos ganhar, vamos ganhar”. Graças a Deus ele conseguiu fazer o segundo gol na prorrogação. A equipe já estava cansada física e mentalmente e o gol veio na hora certa.

Grêmio.Net: Qual foi o momento mais difícil?

Espinosa: O gol do Hamburgo. O jogo já estava no final e isso levaria a decisão para uma prorrogação. Mas depois do que escutei do De Leon e do Renato não perdi a confiança.

Grêmio.Net: Quando o Hamburgo chegou ao empate, no final de jogo, você estava com câimbras fora de campo. O que você sentiu naquele momento? Chegou a temer que a vitória poderia escapar até porque o grupo estava sentindo bastante no aspecto físico?

Renato: Foi um momento complicado. Cheguei a temer se eu não voltasse para o gramado. Felizmente o Banha (massagista) fez uma massagem esperta e me deixou na boa.




“Nós sofremos um abalo emocional muito grande com o gol de empate a quatro minutos do fim. Tratamos de acalmar os jogadores antes da prorrogação, mas aquela equipe havia sido muito bem trabalhada e tinha um grupo maduro, com Mário Sérgio, De Leon, Paulo César. E o golaço do Renato, logo no início da prorrogação, transferiu toda a pressão para os alemães”.(Ithon Fritzen)


"Gol alemão não esmorece Grêmio
O temor do adversário desconhecido foi completamente ignorado pelo Grêmio durante a partida. Jogando bem, o Tricolor saiu na frente com o gol de Renato Portaluppi aos 37 minutos do primeiro tempo. O título se encaminhava para o estádio Olímpico, mas faltando cinco minutos para o término do jogo, Schroder empata a partida e dá banho de água fria no Tricolor. Apesar de ter sofrido o tento, Mazaropi seguia confiante no título, que veio na prorrogação. Ele garante que jamais pensou que a decisão iria para a cobrança de penalidades. "Nós não ficamos abatidos, apesar do gol deles ter saído no fim do tempo normal. Nós entramos em campo com a certeza de que 1983 era o nosso ano. A nossa mobilização era gigantesca e o 2 a 1 foi uma consequência", afirmou." (Correio do Povo - 02/dezembro/2013)

"De Leon ordena e Renato decide
Apesar da magnitude da decisão, o duelo com o Hamburgo se apresentou de forma tranquila para o Grêmio, que saiu na frente com um gol de Renato aos 37 minutos do primeiro tempo. Espinosa exaltou a atitude dos atletas em campo, que jamais deixaram que o time alemão tomasse as rédeas do jogo. "Mesmo com 1 a 0 nós não jogávamos apenas para nos defender. Perdemos outras chances de gol", recorda.

Mas um título mundial não é conquistado sem sofrimento e o golpe dado pelo Hamburgo desnorteou os jogadores do Grêmio, segundo Espinosa. "O gol deles gerou um impacto muito grande no grupo. Faltavam cinco minutos para acabar o jogo e a partir do empate ficamos na expectativa do que poderia acontecer na prorrogação. Mas aí o De Leon exerceu a sua liderança e sentenciou: 'Ninguém cabeceia mais na nossa área'. Aquilo mexeu com os jogadores e o Renato ainda completou: 'Segurem lá atrás que eu decido lá na frente'. E não deu outra", finalizou o técnico campeão do mundo pelo Tricolor. "(Correio do Povo - 1º/dezembro/2013)


"Descuido no final da decisão
Mas o gol de empate do Hamburgo no final do segundo tempo não foi engraçado. Apesar da superioridade gremista no duelo, o oponente igualou o escore aos 40 do segundo tempo, com Schröeder. Baidek reconhece que o time se descuidou. “Foi uma jogada que a gente sempre falava, mas aconteceu. Ali houve uma cobrança entre nós, algo natural. Tínhamos que ter esse cuidado fundamental. O time reagiu bem e mostrou a força que tinha na prorrogação”, finalizou.
" (Correio do Povo - 4/dezembro/2013)

No comments: